Ir para o conteúdo

Prefeitura Municipal de Contagem e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura Municipal de Contagem
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Rede Social Flickr
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
AGO
04
04 AGO 2022
SAÚDE
Contagem reforça protocolos para enfrentamento de casos de varíola dos macacos na rede de saúde
enviar para um amigo
receba notícias
PROCESSANDO ÁUDIO

Em Contagem, para o enfrentamento do aumento de casos da Monkeypox ou varíola dos macacos, a Secretaria Municipal de Saúde - SMS tem feito esforços para agir rapidamente na rede de atenção à saúde. Na semana passada, a Norma Técnica e o fluxo assistencial do Monkeypox no município foram publicizados para a rede de saúde pública e privada, a fim de garantir assistência e vigilância em tempo oportuno dos casos suspeitos.  

De acordo com os dados apresentados pelo Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde – Cievs Contagem, o município possui, até o momento, 18 casos notificados, 11 são do sexo masculino e sete do sexo feminino.  

Os casos confirmados são do sexo masculino, com idades de 33 e 42 anos, e seguem em boas condições clínicas. Em todas as situações, as pessoas que foram expostas a um caso suspeito, provável ou confirmado da doença também estão sendo monitoradas.  

Conforme explica a coordenadora do Cievs Contagem, Rejane Caborges, no momento, ao receber a notificação de caso suspeito de Monkeypox - MPXV, é iniciado o monitoramento do caso, com agendamento da coleta das amostras para envio à Fundação Ezequiel Dias - Funed MG, responsável pela análise e resultados laboratoriais.  

Rejane Caborges reforça que o MPXV é uma doença de notificação imediata, em até 24 horas, pelos profissionais de saúde de serviços públicos ou privados. “Os pacientes com suspeita são isolados e testados. Considerando que o diagnóstico clínico é difícil devido à similaridade com outras doenças que cursam com o aparecimento de lesões cutâneas, a investigação laboratorial é fundamental. Desta forma, é recomendado que sejam coletadas amostras de todo indivíduo classificado como caso suspeito”, afirmou.  

Monkeypox  

A varíola dos macacos é uma zoonose endêmica na África Central e Ocidental, causada pelo vírus Monkeypox - MPXV do gênero Orthopoxvirus, da família Poxviridae. O nome deriva da espécie em que a doença foi inicialmente descrita em 1958. O macaco não é o principal reservatório, sendo este ainda desconhecido, mas a principal hipótese é que sejam pequenos roedores.  

Em 21 de maio de 2022, a Organização Mundial de Saúde - OMS declarou a existência de um surto global emergente de infecção pelo vírus Monkeypox - MPXV, com transmissão comunitária documentada entre pessoas que tiveram contato com casos sintomáticos, em países não endêmicos.  

O contato pele a pele próximo e prolongado, inclusive durante a atividade sexual, parece ser o principal meio de transmissão. Apesar do risco de transmissão generalizada permanecer baixo, a rápida identificação e o isolamento das pessoas afetadas são fundamentais para evitar a disseminação da doença. 

No Brasil, foram confirmados 1.603 casos até o dia 2 de agosto, sendo um óbito registrado, em Belo Horizonte/MG.  

Sintomas e tratamento  

As pessoas devem ficar atentas aos sintomas da varíola e procurar atendimento médico. São eles: início súbito de lesão em mucosas ou erupção cutânea aguda sugestiva de Monkeypox, única ou múltipla, em qualquer parte do corpo (incluindo região genital/perianal, oral) ou proctite (por exemplo, dor anorretal, sangramento), ou edema peniano.  

Podendo também estar associada a outros sinais e sintomas, como febre súbita, forte e intensa, dor de cabeça, náusea, exaustão, cansaço e aparecimento de gânglios (inchaços popularmente conhecidos como "ínguas"), que podem aparecer tanto na região do pescoço, na axila e na região perigenital.  

Não existem tratamentos específicos para a infecção pelo vírus MPXV. Os sintomas dessa doença geralmente desaparecem naturalmente. O tratamento da Monkeypox é baseado em aliviar sintomas, sendo dor e o prurido os principais, além de prevenir e tratar complicações. A grande maioria dos casos tem boa evolução e não apresenta gravidade.  

A conscientização da população para evitar a transmissão do vírus também é fundamental.  

Prevenção  

A principal forma de proteção contra a Monkeypox é evitar contato direto com pessoas contaminadas. Isso porque a forma de transmissão ocorre por meio do contato pessoal - pele com pele e também com objetos pessoais de um paciente infectado.  

Outras medidas de prevenção também são importantes para conter o surto da doença, como:  

  • Ficar atento aos sintomas e buscar atendimento médico.  
  • Evitar compartilhar objetos pessoais.  
  • Limitar o número de parceiros sexuais e usar preservativo – é importante ficar atento ao risco de transmissão sexual já que, atualmente, responde por grande parte dos casos registrados da varíola.  
  • Não rotular a doença, qualquer pessoa pode contrair MKPV - não se deve criar estigmas ou preconceitos em torno da doença, pois isso prejudica o combate. Qualquer pessoa, independentemente de gênero e orientação sexual, corre o risco de contrair o vírus.  
  • Grávidas, puérperas e lactantes devem fazer o uso de máscaras devido ao surto da doença, além de não ter contato com pessoas sintomáticas e usar preservativo em todas as relações sexuais, uma vez que a transmissão pelo contato íntimo tem sido a mais frequente.
Autor: Vanessa Trotta
Seta
Versão do Sistema: 3.2.6 - 05/09/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia